Concurso CREA-PR – Curitiba – 1° lugar

___________________________________________________________________________

Equipe:

Arquiteto Titular: Arq. JEAN GRIVOT AVANCINI – Porto Alegre / RS

Co-Autores: Arq. CAROLINA FLACH SOUZA PINTO e Arq. LUCAS ROCHA OBINO MARTINS

Colaboradores: acadêmicos arquitetura UFRGS Bianca Pimentel Antunes, Cícero Guzzo Mondadori, Leandro Cavalheiro da Silva

Consultor: Eng. Cláudio Faraó Souza Pinto

___________________________________________________________________________

Memorial Descritivo do Projeto

O termo sustentabilidade pode ser traduzido por otimização de recursos. Recursos estes que vão além do material, do objeto que utilizamos para construir. Quando projetamos, fazemos uso de inúmeros recursos intelectuais que são traduzidos em eficiência para a edificação, ou seja, sustentabilidade. Sustentabilidade é inerente à boa arquitetura e é alcançada nos gestos iniciais de projeto, no partido, agregando-se a isto conhecimento sobre tecnologias de materiais e processos construtivos.

O projeto CREA-PR nasce de dois gestos sustentáveis: o primeiro diz respeito ao emprego de uma técnica construtiva adequada ao seu terreno, que parte da não escavação de subsolos devido ao nível elevado do lençol freático e ao alto custo; o segundo tange a criação de um conjunto bioclimático harmônico aos usuários do edifício a partir de uma correta orientação solar norte-sul e da ampliação de espaços de convívio.

Dado o declive natural do terreno de aproximadamente 1,80m desde a sua frente e a possibilidade de elevação do nível do térreo para até 1,20m a partir da cota média de sua testada frontal, torna-se possível a não escavação de subsolos para estacionamento coberto. Apenas 30cm de terra teriam que ser removidos, não causando danos ao lençol nem à tubulação que passa pela linha não edificável. Esta atitude possibilita, também, a implantação de um canteiro plano, limpo e rápido para o aparato de guindastes, caminhões e funcionários envolvidos em um grande processo de montagem.

01-h

Cabe salientar o uso de processos industrializados de construção. Estruturas leves, desmontáveis e recicláveis, em sua maioria. O prédio é modulado e montável, garantindo, assim, um processo ágil e eficiente de construção.

A orientação norte-sul foi alcançada, voltando-se uma praça de acesso para norte, integrada aos recuos obrigatórios de altura e de faixa de acumulação de veículos, por meio da utilização de uma estrutura metálica leve e móvel que recobre a faixa não edificável, possibilitando passagem e estacionamento de veículos, além de eventuais acessos para manutenção da tubulação ou mesmo sua total remoção, temporariamente, sem danos ao prédio ou mesmo aos acessos (maiores informações legais constam no painel).

A ampliação das áreas de convívio tornou-se possível, uma vez não amplamente prevista no programa básico de necessidades, a partir da otimização de espaços com simples gerenciamento de horários. Inúmeras salas de reunião utilizadas simultaneamente apenas em dias de câmara foram sobrepostas ao salão fechado de 300 pessoas, que neste projeto passa a ser uma área de usos múltiplos, modulável. Desta forma, foi possível criar uma ampla praça, que serve como foyer e palco para eventos abertos, a qual é somada ao térreo para atividades culturais abertas ao público e aos profissionais representados pela instituição, sem, contudo, conflitar com as atividades internas do prédio.

Circulações amplas, voltadas para as visuais do prédio e da cidade, são ventiladas naturalmente e interligadas por escadas abertas. Um convite ao uso sustentável.

Esta é a sustentabilidade que propomos.

___________________________________________________________________________

Parecer da Comissão Julgadora:

O anteprojeto de n°28, classificado em 1° lugar, tem caráter compatível à instituição, se apresenta como uma construção de fácil execução e de menor custo comparado com os demais, principalmente por resolver o projeto com um único subsolo. O sistema de fluxos e circulações, tanto horizontais como verticais, permite o melhor uso e a necessária flexibilidade dos espaços propostos. O Plenário é o principal e mais significativo espaço e marca sua presença com forma própria. Criação de amplo saguão que antecede ao Plenário, no pavimento inferior ao mesmo, com potencial para um uso otimizado como, por exemplo, local para exposições e atividades coletivas, agregando assim à comunidade um espaço de uso público. É um edifício com estrutura racional e atende os critérios de sustentabilidade.

Principais problemas observados:

- Distribuição dos sanitários nos pavimentos;

- Plenário superdimensionado;

- Dificuldades de manutenção e controle da parede verde Norte;

- Inadequação parcial do arrimo ao terreno legal no subsolo;

- Presença de 2 (dois) acessos para veículos.

RECOMENDAÇÕES DA CJ:

1. – Readequar os sanitários nos pavimentos para atender ambos os sexos e pessoas com necessidades especiais;

2. – Redimensionar o Plenário com a criação de um foyer, melhorando o acesso;

3. – Estudar a vegetação na parede verde de forma a reduzir sua manutenção, bem como não inibir a incidência do sol no período do inverno.

___________________________________________________________________________

Fonte: CREA-PR

7 comentários sobre “Concurso CREA-PR – Curitiba – 1° lugar

  1. Prezado Senhor Presidente e Conselheiros do Crea. Como proprietário de alguns imóveis próximo a futura nova sede do Crea (Mateus Leme – Centro Cívico), venho assim como os demais interessados e residentes do local, acompanhar atentamente o novo projeto da sede do Crea a ser realizado no local acima citado. Os quais trarão a todos que ali residem ou trabalham uma ampla valorização dos seus imóveis ou comércio no local, bem como em todo entorno. Uma vez que um empreendimento desse porte próximo de 10.000m2 trará além de uma mudança arquitetônica no local, certamente melhor infraestrutura aos arredores uma vez que certeamente haverá um aumento consideravel de usuários naquele local e região, uma vez que além dos profissionais (funcionários)que a própria sede haverá de abrigar, outros advirão em face dos serviços prestados pelo mesmo. E com isto novas oportunidades e novos investimento advirão no próximos ao local. Isto posto, gostaria de tomar conhecimento se já há uma previsão para início da construção da nova sede, e a possível data para o término da mesma e se a mudança do Crea para a nova sede ocorrerá logo após.
    No mais quero parabenizar pela aprovação do projeto arquitônico o que me parece, trará um grande benefício a toda classe trazendo grande repercussão em todo em torno, não só valorizando aquela área em conjunto com os empreendimentos já existentes, mas acima de tudo, pela benfeitorias que advirá a toda sociedade.
    Desde já, parabenizo aos mesmos pelo excelente projeto.

    Herlander Paulo Santos Pereira
    Advogado.

  2. Primeiramente agradecemos os comentários do colega Bruno Breda.

    Gostaria de esclarecer alguns pontos do projeto e também do concurso como um todo.

    Conforme constante em edital, o amplo programa de necessidade requerido pelo CREA-PR neste concurso, praticamente esgotava todos os índices possíveis de ocupação do terreno.

    Ao analisarmos as áreas pedidas no programa e somando-as, percebemos que nem mesmo uma taxa de redução proporcional (área referencial) foi contemplada, ou seja, não havia nem mesmo sobras para áreas que não das próprias salas.

    Com base nisso, nossa equipe pensou em diversas formas de otimizar as áreas a fim de não só contemplar o pedido (ou ordem de programa), mas também criar novos espaços como por exemplo um mezanino interno que serve como área de exposições abertas ao público. Enfim, estas informações constam em nosso memorial e estão acessíveis a todos.

    Percebe-se então que dada as condições de programa e o atendimento pleno a legislação de Curitiba, qualquer edificação seria necessariamente “grande”…

    Nosso escritório entende que um concurso público é algo muito sério e todas as normas impostas tanto em programa quanto em legislação devem ser atendidas. Afinal, é isto que torna uma proposta mais ou menos eficiente em caráter de julgamento. Procuramos sempre a eficiência e faz parte desta sermos honestos com as possibilidades de projeto.

    Quanto ao respeito ao entorno, lembro que o prédio dos fundos, um dos mais antigos de Curitiba (embora ainda atual em Arquitetura), é afastado de sua divisa apenas 2m ou menos. O próprio projeto deste prédio residencial não contempla condições mínimas de ventilação e iluminação (hoje vigentes), contando apenas com a sorte de no terreno lindeiro (fundos) não haver até então qualquer construção.

    Tivemos o cuidado de inclusive dividir nosso programa a fim de criar um prédio mais alto, afastado bastante da divisa de fundos, e um menor, este sim colado no limite do terreno. Lembro, também, que seguimos todas as leis e normas vigentes no que tange alturas e recuos do plano diretor e código de obras de Curitiba.

    Obrigado a todos e nos colocamos a disposição para dirimir quaisquer dúvidas.

    Abraços.

  3. As soluções que o projeto propõe contemplam uma consciência ambiental muito presente, fato necessário atualmente, visto o cenário que presenciamos.
    A volumetria é clara e leve. As linhas ortogonais do projeto enfatizam uma certa simplicidade, mas os cheios e vazios, planos e espaços enriqueçam o projeto pela sua dinâmica. E acho que isso é o que mais atinge o usuário, pois parece proporcionar um bom convívio entre tais.
    Minha crítica volta-se às peças gráficas disponíveis no site. Não pela qualidade, mas sim pela visualização. Estão muito pequenas, talvez pudessem ser maiores para conseguirmos analisar melhor o projeto. Dessa maneira, o entendimento do projeto para quem visita o site fica muito à mercê do texto.
    Talvez seja esse o motivo pelo qual sente-se falta de entender as relações do projeto com o entorno. O problema citado acima pelo Sergio Guimaraes é de grande relevância, e não conseguimos avalia-lo a partir das pranchas no site. E a boa relação do projeto com a comunidade local é fator necessário para garantir a sustentabilidade, num âmbito mais social.
    Fico por aqui.

  4. Muito bonito o projeto, mas não foi pensado nos moradores dos primeiros andares do prédio de fundo, poderia ter feito a superficie terrea plana na parte do fundo, deixando um vão livre entre os dois prédios, eu moro no primeiro andar do prédio do fundo e com certeza terei meu apartamento desvalorizado, hoje em dia pega sol a tarde toda e pelo que vi no projeto vai ter uam parede enorme grudada no muro na parte de tráz.
    Fica aqui minha opinião de morador há mais de 15 anos.

    Poderia repensar esse quesito.

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s