Um ícone para Copacabana

Crônicas das apresentações de ideias para o MIS por alguns ícones —outros nem tanto— da Arquitetura mundial

texto e croquis de Vitor Garcez (*)

No início de 2008 foi divulgado na imprensa que o edifício da histórica boate Help e os restaurantes Sobre as Ondas e Terraço Atlântico seriam desapropriados pelo governo do Estado para que fosse construído um novo edifício para o Museu da Imagem e do Som (MIS) do Rio de Janeiro, que teria o projeto coordenado pela Fundação Roberto Marinho (FRM) —que além deste projeto, coordenará o futuro Museu do Amanhã, incluído no projeto de revitalização da Zona Portuária. Dito e feito: em março deste ano, foi divulgado que o pedido de desapropriação havia sido aceito, deveria acontecer em 60 dias, e o governo já havia depositado R$13 milhões em juízo.

Nos dias 5 e 6 de agosto aconteceria em um auditório na FRM, patrocinadora e responsável pela construção do novo MIS, uma série de apresentações do “concurso de ideias” para o edifício. Recebi com surpresa, no dia 30 de julho, a ligação de um professor da PUC-Rio, me convidando para ir à tal apresentação —como aluno da PUC-Rio— e explicando que a PUC havia recebido um convite da FRM para enviar às apresentações um professor e cinco alunos do curso.

1.

No dia 5 de agosto cheguei à Fundação, com endereço no bairro do Rio Comprido, às 13h50min, portanto dez minutos antes do horário combinado para a chegada. Dei meu documento na portaria, depois de esperar que outras pessoas se identificassem, e disse ser da PUC. Recebi uma etiqueta-crachá com o meu nome, minha identidade de volta e a instrução de subir ao 8º andar do edifício. Subi, dei meu nome de novo na porta do auditório, que foi conferido na lista. Sentei na terceira fileira e falei com um aluno da UFF que sentou ao lado, que não conhecia até esse momento, mas que comentou sobre a estranheza da situação. Até aí eu ainda tinha dúvidas se seriam realmente os arquitetos convidados que apresentariam os projetos e não sabia sequer a lista completa dos escritórios que estavam participando do concurso. Na frente da sala havia uma grande mesa em U, onde observei alguns dos nomes dos membros do júri, que eram no total 11, mas poucos já haviam chegado ou estavam sentados. Havia aproximadamente 40 cadeiras na plateia, mas no máximo metade estava ocupada neste início e avisaram que quem chegasse depois do início da apresentação só poderia entrar no intervalo.

Daniel Libeskind

Algum tempo depois, já passando das 14h, uma movimentação e parecia que o primeiro arquiteto já estava na porta. Alguns dos membros da mesa foram recebê-lo e outros ficaram sentados. Era Daniel Libeskind, que estava acompanhado da sua mulher Nina Libeskind, que é coordenadora do seu Studio Daniel Libeskind, mas não é arquiteta.

Hugo Barreto, secretário-geral da Fundação Roberto Marinho, começou agradecendo a presença do arquiteto e apresentou todos os membros do júri que, junto com ele, era composto pela secretária estadual de cultura e presidente da mesa, Adriana Rattes —a mesa foi, na verdade, coordenada pelo Hugo Barreto que se saiu, por sinal, muito bem—; pela presidente do MIS, Rosa Maria Araújo; pelo secretário municipal de urbanismo, Sérgio Dias; pelo arquiteto, ex-governador do Paraná e ex-prefeito de Curitiba, Jaime Lerner; pela diretora do Museu da República, Magali Cabral; pela arquiteta responsável pela parte de patrimônio na FRM, Lucia Bastos; pelo curador e crítico de arte, Paulo Herkenhoff; pelo arquiteto do escritório norte-americano Ralph Appelbaum Associates, James Cathcart e pela arquiteta Bel Lobo.

Libeskind não tinha maquete, mas começou sua apresentação com uma perspectiva da sua proposta, que me deixou surpreso. Falou da relação do edifício com o entorno e que um edifício para um museu na praia de Copacabana tinha que ser um ícone. Segundo ele o edifício deveria dar prioridade às sensações. A palavra spectacular foi falada enquanto mostrava imagens das possibilidades de projeções de imagens nas fachadas do edifício. Imagens que ficariam tão tortas quanto o edifício. Provavelmente, se a praia de Copacabana precisasse de uma tela de projeção ao ar livre, teria uma, e seria melhor que fosse reta.

Apesar de sua capacidade de retórica, não conseguiu convencer, pois além de estranho, seu edifício não tinha muito propósito. Quando vi as plantas isso ficou ainda mais claro, pois elas sequer condiziam com a fachada, além das quebras que essa fachada impunha à planta. A forma era simples e claramente gratuita. Os blocos separados que a primeira imagem sugeria não acontecia na planta, e o edifício foi resolvido como poderia te sido resolvido em um paralelepípedo: os serviços e circulações no fundo e o que sobrava abrigava os outros usos (café, restaurante, auditórios, salas de exposição temporária e permanente etc.)

Ao fim da apresentação, o secretário da FRM explicou que os membros do júri haviam se encontrado nos dois dias que precederam as apresentações para analisar o material enviado pelos arquitetos e que, após analisarem os trabalhos, listaram uma série de perguntas que deveriam guiá-los na observação das apresentações, visto que a banca era tão diversa, e em seguida as leria para que o arquiteto e o júri pudessem julgar que questões não haviam ficado claras pela explanação do arquiteto. As questões eram: “Por que esta linguagem em um edifício na Av. Atlântica?”; “Qual a ideia/ conceito mais forte da proposta?”; “Que especificidades a proposta têm em relação ao programa de necessidades?”; “De que forma o projeto lida com a sustentabilidade?” e “Qual seria a metodologia de trabalho do escritório no Rio de Janeiro, principalmente para os arquitetos estrangeiros?”.

Barreto julgou, como esperado, que a pergunta sobre a linguagem proposta para o edifício deveria ser mais aprofundada por Libeskind, que novamente não chegou a convencer com a sua resposta, ao dizer que aquele edifício era um contraponto à morfologia existente no entorno e deveria ter, portanto, uma “identidade distintiva”. Disse ainda que um edifício na Av. Atlântica deveria ter “sensualidade”. Talvez a arquitetura de Niemeyer seja a única arquitetura brasileira que ele conheça e, ouso dizer, as formas pontiagudas da sua ideia não são “sensuais” como dizem ser as de Niemeyer.

Libeskind recebeu os agradecimentos de Adriana Rattes e deixou o auditório, depois de aplausos e entreolhares duvidosos da plateia. Saímos todos para um café no corredor e soube que os próximos seriam os cariocas Thiago Bernardes e Paulo Jacobsen, titulares do Bernardes+Jacobsen Arquitetura; em seguida o não tão conhecido Rodrigo Cerviño Lopez, sócio do Tacoa Arquitetos e autor do projeto da galeria de Adriana Varejão em Inhotim (Brumadinho, Minas Gerais); os últimos do dia seriam Elisabeth Diller e Ricardo Scofidio, sócios do Diller Scofidio + Renfro.

Voltamos ao auditório e já havia mais gente. Algumas pessoas atrasadas só puderam entrar no intervalo, e plateia passou a ter aproximadamente 35 pessoas.

Bernardes+Jacobsen

Paulo Jacobsen e Thiago Bernardes entram no auditório. Depois de alguns minutos de preparação para o início, e com todos já acomodados, Thiago começa sua apresentação —sempre ao lado de Paulo, com quem reveza ao falar durante todo o tempo— pedindo que o seu nervosismo fosse relevado, dada a importância do momento para ele. Thiago é jovem e Paulo chegou a trabalhar com seu pai, Cláudio Bernardes e seu avô, Sergio. Ressalta ainda que esse projeto tem uma importância especial para eles que, como cariocas, convivem e conviveram com a Avenida Atlântica durante toda a vida, passando frequentemente pelo local onde será instalado o MIS.

A apresentação dos dois começa com imagens aéreas do terreno e Thiago chama a atenção para as montanhas que são visíveis nessa imagem, dizendo que é algo comum na cidade, e mesmo que muitas vezes seja imperceptível, muito frequentemente uma rua termina aos pés de uma montanha. A paisagem original da cidade serve de referência para o projeto: o mar, mas principalmente as pedras. Como se o edifício fosse quase que anterior a todos os outros de Copacabana, e é o que a imagem aérea que ele mostra sugere. Para ele as pedras das montanhas parecem, no entanto, pesadas, e o edifício precisa de leveza, como contraponto à parede de edifícios da avenida à beira-mar.

Ao mostrar vários dos Metaesquemas de Helio Oiticica, ele diz terem constatado como as linhas diagonais poderiam dar leveza à forma. A proposta deles na primeira fase do concurso era, possivelmente, a que menos se destacava, pois não tinha a “identidade própria” que o próprio edital supostamente sugeria. Ele mostra então um diagrama da evolução do projeto: na primeira fase, alguns paralelepípedos regulares eram ligados por escadas e entremeados por espaços livres.

A partir das pedras, dos Metaesquemas e de necessidades funcionais do edifício, como o auditório, definiram então uma outra forma para a proposta e inclusive o material e o método construtivo. Quatro blocos são criados para a divisão do programa de necessidades proposto, a partir do que já havia sido estudado na proposta anterior; duas torres fazem a circulação vertical e estruturam o edifício. As “pedras” tem sua forma definida e, no térreo, convidam à entrada do edifício por uma fenda —que também faz a ligação com a rua paralela à Av. Atlântica—, propondo ainda um leve desnível para baixo em relação ao nível da calçada, para reforçar o convite à entrada. Sobre um dos blocos inferiores blocos, um terraço é proposto como um espaço aberto para contemplação total a vista. Mas de dentro do edifício, com grandes empenas, as visadas são mediadas pelo edifício e, em cada um dos blocos, vê-se um novo recorte da paisagem, em que sempre se vê a paisagem junto com uma parte do edifício.

A parte técnica foi bem estudada e, depois de falar de pontos como reuso de água e ar condicionado, mostram um detalhamento de parte do edifício, que mostrava a estrutura metálica de um dos blocos, as instalações prediais e como foi pensada a fachada, que teria fechamento externo em steeldeck com revestimento em concreto —que seria desenvolvido especialmente para esta obra junto com um grupo de pesquisa em uma Universidade para que pudesse chegar em uma textura rústica, como uma pedra, conforme falou o consultor da parte técnica do projeto, o engenheiro José Luiz Canal (que foi responsável pela obra da Fundação Iberê Camargo, projeto do português Álvaro Siza em Porto Alegre).

Eles passam um pouco do tempo limite para a apresentação e ao fim não restaram muitas dúvidas sobre o projeto e, pelo menos a plateia de estudantes de arquitetura, ficou muito bem impressionada pela proposta. Como na apresentação anterior e em todas as seguintes, Hugo Barreto faz suas perguntas e questiona se os arquitetos gostariam de acrescentar algo em relação às questões propostas, o que dá mais algum tempo para que Thiago e Paulo clarifiquem algumas questões conceituais e Canal outras técnicas, mas nada já não tenha sido bem explicado antes.

Apesar da informalidade da apresentação dos arquitetos frente à experiência do discurso da apresentação do Daniel Libeskind, a apresentação termina e eu fico com alguma esperança.

Rodrigo Cerviño Lopez


A esperança de que o Rio poderia ter um belo edifício projetado por um carioca continuaria depois da apresentação —em grande parte inconsistente— do paulista Rodrigo Cerviño Lopez, que me faz pensar ainda na ausência dos paulistas Andrade Morettin Arquitetos, MMBB e SPBR. Sem intervalo para o café, por causa do atraso na apresentação anterior, Rodrigo começa sua apresentação dizendo que a forma do edifício é decorrente dos dois auditórios colocados na extremidade inferior e na cobertura do paralelepípedo rotacionado, que parece fincado no terreno. Rodrigo mostra algumas perspectivas, sem conseguir falar muito sobre elas, provavelmente por causa do nervosismo, mas talvez não soubesse bem o porquê do que tinha feito.

O projeto é todo interiorizado e praticamente nega sua localização e a paisagem à sua frente. O imenso bloco de concreto fechado tem duas possibilidades de enxergar a vista: um vazio que abriga o restaurante, já nos últimos pavimentos do edifício e a cobertura, onde se propõe um auditório ao ar livre, que seria servido por um telão instalado na empena do prédio vizinho, se o vizinho deixasse. Quando começam a aparecer as plantas, ele descreve espaço por espaço. De fato, se há algo aparentemente bem resolvido na proposta, eram as plantas.

As circulações mais valorizadas são escadas colocadas entre duas paredes de concreto, com iluminação zenital, mas que no entanto, certamente não seriam muito agradáveis de se usar. Eu certamente preferiria os elevadores. O acesso principal, ao invés de frontal, é lateral, onde é colocada uma grande escada externa e por onde se desce ao foyer principal, que fica em um nível inferior ao térreo. Também para essa lateral, entre o edifício proposto e o edifício residencial vizinho, pode-se abrir o fundo do palco do auditório, que poderia ser visto da calçada, propondo uma relação entre o interior e o exterior do museu, mas que não sei se de fato aconteceria (pelo barulho externo, pelo próprio uso do auditório etc.)

Os espaços internos que, como disse antes, seriam os mais valorizados, são mostrados em perspectivas como grandes vazios, com paredes, pisos e tetos em concreto aparente, sem nenhuma instalação ou iluminação sugerida por ele nesta fase do projeto. O arquiteto explica que precisaria de consultores em uma etapa posterior para definir esses pontos. Os espaços são fechados e escuros nas imagens, supostamente devido às necessidades de um museu que trata de imagem e som. O edifício realmente não tem janelas.

Depois de perceber muitas questões em aberto no projeto, Rodrigo é questionado pelo júri, entre outras coisas, em relação à qualidade térmica e acústica do concreto para um museu desse tipo —já que o MIS não é a galeria em Inhotim, que tem uma exposição permanente de arte. O arquiteto responde dizendo que poderia haver um tratamento para que o espaço pudesse ter a qualidade necessária, mas que como já havia dito, precisaria de consultoria e estudos para isso em uma fase posterior.

Depois das insistências do júri em relação ao uso do concreto aparente em todo o projeto, Rodrigo fechou dizendo: “Sou paulista. Sou de uma escola que começou com Artigas, depois Paulo Mendes da Rocha…” Não precisava falar mais nada.

Depois de mais um intervalo para um café, a última e mais aclamada de todas as apresentações desses dois dias.

Diller Scofidio

Elisabeth Diller e Ricardo Scofidio chegaram com a cara de que sabem quem são. O escritório foi o último a fazer parte do concurso, portanto não participou da “primeira etapa” e aceitou o convite da FRM só três semanas antes da apresentação, e foi esse o tempo que eles tiveram pra essa proposta.

Começam mostrando alguns projetos de seu escritório —algo que nenhum dos escritórios anteriores havia feito— como o, merecidamente aclamado, projeto para o High Line, em Nova York, feito com o James Corner Field Operations. Segue, então, falando —com sua dicção e discurso apurados— sobre a legislação que é imposta ao edifício, sugerindo quais poderiam ser as possibilidades de não seguir as regras ao mostrar um desenho de um bloco horizontalizado, como a legislação impõe, e depois uma proposta transgressora de criar uma grande torre retorcida, com altura um pouco inferior ao morro do Cantagalo, visível logo atrás. Depois, com os pés mais na realidade, propõe como o edifício, como o tamanho imposto pela legislação, poderia ter partes a avançar sobre a calçada ou sobre o espaço aéreo, através de artifícios mecânicos. Então me fez lembrar de um concurso que Rem Koolhaas participou em que não seguiu o que o edital impunha definindo outro terreno para a intervenção, e que acabou ganhando.

Depois do susto ao pensar que eles não apresentariam nada viável para o MIS, Elisabeth começa a falar do entorno do edifício, das montanhas, do mar, da muralha de edifícios, como a maioria dos anteriores, e mostra um diagrama que ilustra a sua proposta: uma fita de calçada é dobrada para formar um ‘S’. Sua proposta é fazer uma extensão da calçada, que continuaria definindo a circulação através de escadas e patamares que configurariam a própria fachada do museu. Atrás dessa circulação, uma pele em elemento vazado que induziria a vista: em cada parte do edifício essa pele direcionaria a visão para pontos diferentes. Portanto, nesse caso, não é a arquitetura que intermedia a vista, mas a pele, a superfície do edifício. Os espaços principais são visíveis desta circulação externa, que é aberta como uma varanda. No fundo do edifício, como na maioria das propostas, as partes técnicas e todas as circulações obrigatórias pela legislação e pelo programa: elevadores e escadas enclausuradas.

Se destacam ainda mais ao, diferente de todos os outros concorrentes, fazerem sugestões museográficas mais embasadas para o MIS, principalmente para as exposições permanentes. Ao dar como exemplo uma exposição com fantasias de Carmen Miranda, sugerem como os gadgets (celulares etc.) dos visitantes poderiam ser usados para dar informações complementares às exposições. E ainda como poderia ser vista uma possível exposição das fotografia de Augusto Malta —mostrando que visitaram o site do MIS, mesmo que em português, para ter ideia do seu acervo— com as possibilidades das mais recentes tecnologias de touchscreen e geolocalização. Tudo isso em imagens em movimento muito bem feitas.

A apresentação termina com um vídeo que impressiona a todos: um visitante passeia pelos espaços expositivos, desde a calçada —de onde pode ver um show de bossa-nova no auditório do subsolo— até o restaurante/piano-bar em um nível superior onde há mais um show de música brasileira, passando por diversos outros espaços. Muitas figuras humanas, nas imagens do vídeo, passeiam pelos espaços do edifício, mas todas as pessoas são brancas —“zombies”, como a própria Elisabeth ressaltou, acrescentando: “são imagens esquemática, da próxima vez as pessoas parecerão mais felizes”.

Depois dos aplausos e de algumas questões levantadas pelo júri, um dos membros da banca não resistiu e lançou: “Eu sei que não é algo dentro do protocolo pra essa apresentação, mas tenho que dizer que esse é o tipo de apresentação que deveríamos assistir de joelhos” — era o nosso secretário municipal de urbanismo, Sérgio Dias. Eu não ajoelharia.

Esse primeiro dia de apresentações acabou por volta das 18h30min. No dia seguinte começariam às 10h da manhã e seriam mais três escritórios, mas até esse momento não sabia quais, só que Shigeru Ban era um deles. Depois soube que Shigeru seria o último dos três, depois de Isay Weinfeld seguido de Marcelo Ferraz, do Brasil Arquitetura.

2.

Isay Weinfeld

Já no segundo dia, pouco depois das 10h da manhã do dia 6 de agosto, com o auditório já cheio, Isay Weinfeld chega sozinho para começar a sua apresentação. Começa agradecendo muito pelo convite e dizendo que, em muito tempo de carreira, jamais havia recebido um convite para participar de um concurso como esse e por isso teria feito o projeto “com muito carinho”. Acrescenta de antemão que odeia a palavra “conceito”, pois seus projetos são feitos muito intuitivamente, a partir da experiência que acumulou ao longo da sua vida profissional. Portanto, ao fazer um projeto para um concurso de ideias como este, se preocuparia com detalhes somente caso fosse selecionado —afirmando que, no entanto, o detalhe é uma grande preocupação sua.

Conquistando o público com as primeiras palavras, não é muito feliz na etapa seguinte, ao começar sua apresentação a partir dos desenhos técnicos, primeiro as plantas, depois os cortes e fachadas, e com a maquete ainda guardada. Tivemos, portanto que tentar entender antes as plantas e tentar imaginar a cara do edifício, o que era complicado com a velocidade da apresentação. Weinfeld explica minuciosamente os espaços e a organização do projeto —e nós, tentando entender, achávamos que ele não teria outras imagens além daquelas técnicas—, mostra que a circulação para o público do museu aconteceria sempre por fora: primeiro em uma escada externa na lateral esquerda, passando por um espaço aberto no meio do edifício— onde há um grande espaço livre em que se situa a sala de projeção multidirecional—e chegando ao lado direito, em outras escadas externas. A escada externa dos primeiros níveis me lembraram —ao ver as plantas e antes de ver as imagens— as rampas da Fundação Iberê Camargo fora de proporção.

Enquanto via as plantas pensei que ele as fazia com muito rigor —principalmente formal, já que ele mesmo explicou que poderiam haver desvios inclusive nas metragens colocadas no programa, que poderiam ser adequadas depois— mas, de alguma forma, vi uma ideia um tanto simplista na proposta: plantas resolvidas e pensadas bidimensionalmente são colocadas umas sobre as outras e deslocadas, para dar ao edifício a “identidade” que havia sido pedida pelo programa —principalmente através do tratamento das fachadas—, mas que não interfere na espacialidade dele; as circulações são posicionadas externamente fazendo um percurso por um lado, passando pelo meio —onde há o terraço coberto— e continua subindo pelo outro lado —e essa circulação acaba por er o ponto mais interessante do projeto. A materialidade é algo à parte: o arquiteto diz que o projeto tem muitos pontos que poderiam ser modificados em uma fase posterior de projeto e que algumas questões são, para ele, “menores”. A materialidade é uma delas. Como exemplo diz que apesar da sugestão dele de que o edifício poderia ser branco, poderia ser de alguma outra cor clara. Ele sugere ainda que os blocos fossem tratados com materiais diferentes, ainda não rigorosamente definidos e que portanto também poderiam ser modificados —como os dois tipos de elementos vazados que ele propõe nos diferentes blocos que compõem o projeto. Os materias são usados, portanto, para dar a cara do edifício, e não vai muito além.

A banca levanta algumas questões —já prometendo que, como ele pediu, não vai obrigá-lo a falar do “conceito” do projeto, gerando risos. Isay Weinfeld é de fato, muito sicero e humilde na sua fala, para não dizer sedutor. Diz, no meio da sua explanação, que só faz trabalhos que o interessam e sempre foi assim; que cada casa, loja ou edifício que projeta é desenhado nos mínimos detalhes e esse é um dos motivos dele não trabalhar, por exemplo, para o mercado imobiliário (“eles vêm pedir um projeto, explico como eu trabalho e depois eles não voltam mais”) e fala de outra características do seu modo de trabalhar ao longo da apresentação (“também não faço nada em série. Não faço dezenas de lojas de uma rede, por exemplo, faço uma, porque faço cada projeto muito especificamente pro cliente, pro espaço e não teria paciência para fazer muitas lojas iguais, por exemplo, porque acompanho de perto todos os projetos. […] Pra mim não importa se o piso custa dez ou mil reais o metro quadrado, o que importa é o espaço que eu vou criar, não os materiais, que podem ser caros ou baratos, isso depende do cliente”). Ao final, Paulo Herkenhoff fala também da inauguração, alguns dias antes, do Centro Cultural Midrash, que foi projetado por Weinfeld no Leblon; da sua importância e da beleza do painel que cobre a fachada —claro, segundo a opinião de Herkenhoff—, com inscrições em hebraico.

Isay termina sua apresentação e lembra que tinha uma maquete, mas que estava ainda dentro da caixa. Pega a maquete e começa a mostrá-la a cada um dos membros do júri, como se estivesse segurando uma bandeja e termina dizendo: “Estou me sentido um garçom”.

Brasil Arquitetura

Marcelo Ferraz começa dizendo que nada do que proporia para o edifício seria gratuito, mas teria uma base principalmente funcional; e identificaram que o edifício deveria seguir alguns parâmetros: ser um marco na paisagem, ser sustentável, ter simplicidade formal, ter flexibilidade e mobilidade nos espaços internos; que o edifício deveria ser, acima de tudo, uma “celebração da paisagem” —do mar, da montanha e da cidade. Apesar da clareza de suas primeiras palavras, isso não estava no projeto.

Alguns projetos recentes tornaram o Brasil Arquitetura mais conhecido —como o Museu Rodin e o Museu do Pão— mas esse projeto mostrou principalmente uma influência de sua mestre Lina Bo Bardi, com quem Marcelo começou a trabalhar em 1977, como estagiário nas obras do SESC Fábrica da Pompéia, e seguiu como colaborador até 1996, ano da morte da arquiteta.

O edifício proposto tem uma estrutura convencional, com três grandes planos longitudinais de concreto —o da fachada frontal e outros dois em cada um dos lados da circulação vertical do edifício, localizado nos fundos, como na maioria das outras propostas. Para além desse elemento estruturador —uma caixa em concreto bem convencional—, o projeto é marcado por alguns outros pontos: uma enorme esfera em aço inox, que abriga a sala de projeção multidirecional, é elevada entre o edifício proposto e a empena do prédio residencial vizinho; um recorte orgânico na fachada frontal —que lembraria o resultado de cupins em um pedaço de madeira— onde ficam localizadas as escadas para uso do público, também com desenhos muito livres; e uma cobertura em balanço no último nível, “como um boné” —segundo Ferraz—, que permitiria uma visão panorâmica da praia a partir do restaurante instalado ali; e pequenas aberturas quadrangulares seriam feitas nas fachadas laterais e de fundos, de acordo com a necessidade dos espaços internos, que seriam definidas em uma fase posterior de projeto. Sob a esfera de aço seria possível circular para a rua paralela à Av. Atlântica, sobre um piso de vidro colocado para possibilitar a iluminação natural do palco do auditório no subsolo.

A proposta se implanta sobre o terreno como quase toda a parede de edifícios da orla de Copacabana, se afastando de uma das divisas deles através da esfera. O recorte na fachada que permite a vista da praia e a circulação vertical através das escadas ali colocadas não pode, de maneria alguma, ser justificado como um desenho baseado na funcionalidade, senão na forma —pois, para não julgar a forma, no mínimo dificultaria a execução do edifício, com o livre desenho de escadas e guarda-corpos em concreto. Marcelo justificou esse grande vazio vertical seria um contraponto à “horizontalidade presente nos edifícios da Av. Atlântica”.

A parte expositiva não poderia ser mais convencional e a sua flexibilidade proposta acaba sendo questionada pelo próprio júri. Esses espaços expositivos ficariam nas extremidades do edifício, em cada um dos lados da escada central, e seriam fechados por “painéis móveis” dependendo das necessidades de cada uma das exposições. Caso as exposições precisassem ser todas fechadas, o espaço do meio ficaria, talvez, apertado na parte central. O júri ainda levantou que o vazio das escadas poderia resultar em problemas técnicos, por exemplo: como seria feita a proteção contra incêndios em um espaço vertical que corta todo o edifício? Ao que o arquiteto respondeu dizendo que existe tecnologia para proteger esse tipo de espaço contra incêndios.

Ao fim da apresentação, um dos membros do júri lembra que o projeto ultrapassaria a área permitida para construção pela legislação pois, por não se afastar das divisas, não poderia ter a altura de um edifício afastado das divisas —o fato de não afastar é devido à esfera, que ocupa o espaço aéreo. Marcelo Ferraz justifica dizendo que apesar de não afastar, não deixam de permitir a circulação por baixo da esfera e que, portanto, poderia haver uma negociação para que isso se viabilizasse, por não se tratar de uma edificação comum e ser de uso público. Eis que Jaime Lerner, ao supostamente concordar, arremata citando um jogador de futebol: “bola que está no alto, não está no gol”.

Shigeru Ban

Shigeru Ban era esperado ansiosamente, principalmente pelos alunos de arquitetura que ali estavam, mas assim que alguém de seu escritório entrou na sala com a maquete de seu edifício nas mãos, ficou claro que ele não tinha entendido nada. O arquiteto veio acompanhado por algumas pessoas da sua equipe e pelo arquiteto Marc Rubin, sócio do escritório paulista Botti Rubin Arquitetos, que seria seu colaborador no Brasil —pelo menos nesse projeto.

A preparação para a sua apresentação demora algum tempo, pois sua grande maquete, que veio junto com a equipe no avião, precisa ser montada para ser apresentada e o seu computador ligado ao projetor. O que chamava a atenção na maquete era a grande abóbada que cobria o edifício e, na maquete, era representada por uma trama dourada, mas que na realidade era de madeira; além de um embasamento com pilares arqueados, lembrando como estalactites tocando o chão.

Mais alguns minutos para a apresentação começar e Mr. Ban começa mostrando também um projeto recente seu —o novo Centre Pompidou em Metz—, que havia servido de autorreferência para sua proposta. Na verdade, sua referência a esse projeto vinha da pesquisa de materiais que ele estava fazendo no momento, mais especificamente com a trama de madeira que estruturava o novo Pompidou e cobriria seu MIS. Mas no Pompidou era tudo bem diferente.

De fato a sua pesquisa com a madeira nesses projetos é bastante interessante mas, suponho, ela acabou afastando o arquiteto completamente do lugar de inserção do edifício. Um lugar como a frente da praia de Copacabana não poderia ser tratado como qualquer outro. Ele até tenta convencer ao mostrar uma imagem com alguns croquis seus que justificariam as formas arqueadas do embasamento do edifício, mas era uma infeliz referência aos biquinis das cariocas.

O edifício proposto teria uma estrutura convencional em pilares, vigas e lajes de concreto e sobre essa estrutura se apoiaria a estrutura de fechamento e cobertura feita com a trama de madeira. Sob essa trama, um fechamento em um tipo de vidro especial importado e translúcido, que filtraria a luz do sol e produziria energia  pro edifício— mas que deve ser um material caro, se formos pensar no preço que ainda custa hoje uma placa fotovoltaica.

Ao final, só me resta tentar adivinhar o porquê de um arquiteto que tem projetos tão diversos e uma pesquisa tão interessante tenha proposto um edifício como esse para o Rio. Pois, para além da sua desadequação ao entorno, nem mesmo isolado desse contexto seria interessante, nem mesmo se relevarmos sua visão caricata da nossa cidade.

O segundo dia termina e ficamos com a certeza de que o vencedor estaria mesmo no primeiro dia. Para a maioria das pessoas com quem falei, o vencedor seria mesmo Diller Scofidio + Renfro, mas alguns de nós achávamos que o projeto do Bernardes+Jacobsen deveria ganhar, não custava ter esperança. Quanto aos outros, brasileiros ou estrangeiros, nenhum chegou a emocionar. Em algumas das apresentações ficou a sensação de que não poderiam se tratar de propostas sérias se pensássemos nos currículos de cada um e que alguns nem deveriam estar ali. Muitos outros poderiam ter sido convidados. Agora resta esperar pela construção do “novo ícone” da praia de Copacabana, como se ela precisasse de um.

_____________________________________________________________________________________________

(*) estudante de arquitetura do último ano na PUC-Rio, co-editor da revista de arquitetura Noz e do blog Rio d’Janira , onde este texto foi originalmente publicado

3 respostas em “Um ícone para Copacabana

  1. Parafraseando o referido Secretário, este é um caso raro de texto para ser lido de joelhos.
    Fiquei com a impressão de que foi melhor do que ter estado lá.
    Evidentemente, faltar-me-ia a perspicácia do Vitor.

  2. Muito boa a iniciativa. De fato, a descrição não difere das sensações que tivemos ao ver os projetos apresentados aqui no site. Bernardes+Jacobsen e Diller+Scofidio foram muito superiores aos demais, e realmente, a dupla brasileira chegou perto. Mas ao ver o projeto, o lance do prolongamento do calçadão e articulação dos espaços, realmente, não dá pra imaginar nenhuma outra obra que se encaixado tão bem com o local.

    Parabéns.

  3. Parabéns ao Vítor Garcez pela descrição inteligente da apresentação das propostas arquitetônicas para o MIS e pela sagacidade das suas incursões críticas. Um presente para os que ficaram apenas com a opção de entender as propostas através das imagens dos projetos (Seria legal se disponiblizassem as plantas e os cortes).

    Que memória boa hein!
    Peço licença para reproduzi-lo no meu blog: http://www.arqpb.blogspot.com

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s