2° lugar – Concurso CREA-PR – Sede Curitiba

_______________________________________________________________________________

Equipe:

Arquiteto Titular: Arq. MARCOS A. JOBIM -Florianópolis / SC

Co-Autor: Arq. SILVANA CARLEVARO

Colaboradores: Arq. Maria Andrea Triana, Arq. Rogério Versage – arquitetura bioclimática, Eng. Olavo Kucker – pré-orçamento, Rosana Debiase – estudante de arquitetura

Consultores: Eng. Ricardo Sherem – conforto ambiental, Arq. Tuing Ching Chang – estrutura, Eng. Marcello Campelli – instalações elétricas, Eng. José Henrique Fontes e Eng. Ane Denise Paccinini – instalações hidrosanitárias, Arq. Juliana Castro – paisagismo

_______________________________________________________________________________

Resumo da Proposta

Critérios de Projeto

“A premissa básica é que o edifício da sede do CREA-PR seja um marco arquitetônico quanto às questões ambientais, de acessibilidade e também como construção de excelência tecnológica.” (Trecho extraído do Termo de referência do concurso) É com base nesta premissa que desenvolvemos o projeto arquitetônico proposto.As questões ambientais de sustentabilidade foram incorporadas ao projeto desde o lançamento do partido, na implantação. A orientação solar bem definida e a morfologia do terreno geraram uma proposta longitudinal, aberta para as fachadas norte e sul e fechada para o leste e oeste. Foram analisadas todas as condições climáticas da cidade de Curitiba, relacionadas ao terreno e seu entorno para gerar uma solução com amplo desempenho energético e de conforto.

crea-pr-02-b

A criação de um átrio voltado para a fachada norte atende a estas exigências e gera uma integração espacial de todos os setores do programa. Este átrio constitui o ponto principal da proposta, criando um acesso claro, organizando os fluxos e valorizando a área verde proposta ao seu lado, liberando ao máximo a ocupação do terreno e preservando a área permeável estipulada pela normativa.

crea-pr-02-c

Grandes balcões/floreiras se distribuem em cada pavimento criando um ambiente de trabalho com mais qualidade.

As soluções de fachadas respondem às exigências de conforto ambiental (térmico e de iluminação). A combinação de materiais opacos, com brises e grandes áreas envidraçadas resultam em uma proposta de linguagem contemporânea.

crea-pr-02-p1

O Programa

Atender às necessidades programáticas e funcionais requeridas de forma clara e eficiente é uma das premissas para alcançar uma solução arquitetônica coerente com o seu uso. O programa de necessidades requerido foi organizado a partir dos diferentes níveis de acesso e relacionamento.

crea-pr-02-p2

No pavimento térreo foi localizada a Regional de Curitiba com uma recepção específica e outra para o público geral.

crea-pr-02-p3

Através deste pavimento se tem acesso diferenciado ao Plenário e Salas de Eventos (dois primeiros pavimentos), no grande átrio envidraçado, por escadas com escala compatível com a importância destes setores e acesso exclusivo, sem interferência com o fluxo das atividades administrativas.Nos três pavimentos subseqüentes ficam organizadas os Departamentos e Assessorias, em planta livre com fácil readequação.No último pavimento situa-se a Presidência com a Secretaria Geral que se relacionam com uma grande área de cobertura jardim.A setorização de circulações e serviços repete-se em todos os pavimentos, proporcionando uma organização espacial, construtiva e técnica.

crea-pr-02-p4

crea-pr-02-p5

_______________________________________________________________________________

Parecer da Comissão Julgadora

O anteprojeto de n°07, classificado em 2° lugar, apresenta boa implantação, beleza,caráter e expressivos espaços internos. A implantação gera espaços privados integrados ao espaço urbano. Plantas livres, com boa flexibilidade, definidas por circulações verticais nas extremidades. As questões relativas à sustentabilidade foram tratadas com profundidade e suficientemente detalhadas. Espaços vestibulares com ambiência de fácil leitura. Escadas de emergência bem resolvidas.

Principais problemas observados:

– Dimensionamento do Plenário;

– Elevadores insuficientes;

– Área construída ultrapassa o limite estabelecido pelo programa;

– Inadequação no uso do terreno legal nos subsolos;

– Inexistência de estacionamento “rápido”.

_______________________________________________________________________________